Le Capital French - (2012)



16/04/2014 
Há um quê de misoginia no filme. Ou as mulheres servem apenas como troféu, objetos de prazer ou são incompetentes e/ou ingênuas. Pois no mundo financeiro, das megaoperações, dos desfalques milionários, das transações globalizadas, onde a compra de um grande Banco, por exemplo, segue à risca uma estratégia previamente combinada e militarizada, não há espaço para o sexo feminino.

Por quê?

Fiquei curioso.

Talvez seja porque nos negócios, assim como na guerra, seja necessário, antes de tudo, muita agressividade e força, violência e testosterona (sem esquecer do foco no resultado e não ficar à mercê de outros hormônios).

Homens são safados e cafajestes, e não escondem isso.

Mulheres são mais dissimuladas.






Ednardo - Enquanto Engoma a Calça (Tempos da Boate DCE)

Russian Red - The memory is cruel

Captain America - The Winter Soldier e o Big Data, NSA, etc.




Steve Rogers: I thought the punishment usually 

came after the crime.

"Matar 20 milhões para proteger 7 bilhões". Como conseguir isso?

É simples, basta identificar as possíveis ameaças...através de dados, cookies, phishing, posts, facebooks, googles e tudo aquilo que preserva, compartilha e arquiva os nossos sonhos, desejos e vontades.

É de dar medo, eu sei.

E de ficar paranoico só de pensar que estamos sendo monitorados 24 por dia. É como se o Big Brother (o livro não o reality show) fosse verdadeiro e onisciente, onipresente e onipotente.


Trata-se de uma longa e complexa discussão. E se tudo for verdade e estivermos bem no meio de uma grande conspiração dos grandes conglomerados financeiros para vigiar e destruir todos aqueles que discordam do sistema?

Pode ser algo simples, como saber as nossas preferências de compra ou algo mais radical e sinistro, como perder o emprego porque falamos mal da chefia (a propósito, ela fez redução de estômago, mas a arrogância tomou o lugar da gordura).

Paranoia pode ser ótima pros negócios (ficando alerta o tempo todo contra funcionários rebeldes e jogadas da concorrência), mas é muito ruim para as relações pessoais.

Mas voltando ao filme, do qual pouco falei porque queria pegar uma carona na ideia central.

Nick Fury: You need to keep BOTH eyes open.

Que seria basicamente de desconfiar de tudo e de todos (mais 

paranoia).

Talvez fosse relevante pensar que isso é bom para os EUA e sua máquina militar. Quanto mais ameaças desconhecidas ou conhecidas, mais e mais investimentos em novas armas, em segurança, em milicias, em novas formas de coerção, em monitoramento, em espionagem (a NSA está aí pra isso).

E que é bom termos o Captain America (leia-se USA) para nos proteger de tudo isso.

Mas em termos de entretenimento, é salutar ver que os filmes de Hollywood deixaram de certa forma o infantilismo de lado. E trazer gente da TV para dirigir os filmes, faz parte dessa nova estratégia. Basta comparar o filme de 2011 com o de hoje. Nada de patriotismo besta e cenas edulcoradas. O ano de 2014 pede mais complexidade e lutas corporais (UFC, of course), pede mais discussão ética e rebeldia, pede menos associação fácil e mais pensamento cognitivo. 

Almas simples e ingenuas não irão entender tanta complexidade e para eles temos o Chris Evans e a Scarlett ou  Natasha Romanoff ou Black Widow (whatever). Afinal não somos Homens de Ferro (sem trocadilhos...)



Em tempo: Vou fazer um filtro com os meus "amigos" no Face. E eliminar qualquer link que me comprometa ou identifique este que vos escreve. Afinal, por mais que o mundo esteja à beira da auto-destruição, preciso pagar as minhas contas e o Big Data faz de tudo pra me sabotar.

Bon Jovi - Have A Nice Day





When the world keeps trying to drag me down
Gotta rais my hands gonna stand my ground
I say, hey
Have a nice day
Have a nice day

Regina Spektor - Fidelity - Live In London [HD]

Russian Red - A Day in the Life (llegué más temprano en casa y la descubrí)

De pés pequenos que pregam o amor eterno...


Sabidamente o olhar não tira pedaço, então por que estupidamente usamos o banheiro público para encontrar-nos? se de fato a praça oferece mais espaço para maconhar, se o obelisco é um objeto redondo que solta faíscas, se o ventre da sua madre não implora perdão, mas refaz-se na curva, curvados iremos viver se não entrarmos na Florida e pedalando o pedal da bicicleta que cai de tanto andar, de vício livre, de sempre livre, corredores que nunca terminam, circulando, circulando diz o gendarme, e sob jatos d'água, vejo reluzir seus pés pequenos que pregam o amor eterno, mas odeiam serem seguidos por olhares apaixonados...

Luiza Possi e Detonautas encarnam Kurt Cobain (pro Kurt revirar-se no túmulo!!!)

Luiza Possi e Detonautas encarnam Kurt Cobain em especial da Rádio UOL - Últimas Notícias - UOL Música:



'via Blog this'

Pensou ter visto um olhar sincero


Sucessivamente distante e ao mesmo tempo tão perto - decidiu cair de amores pela primeira pessoa que passasse na rua - justo ele que adorava gatos - o corrosivo cheiro de urina fez que tudo fosse esquecido (acordou entre amores - sem saber o sentido - da vida - da existência) - pensou ter visto um olhar sincero - ledo engano - era de ódio - e sentindo-se aleijado e descontente - posou nu para o lambe-lambe da praça - perdido entre aspas e fiel condutor da existência alheia - pensou ter visto a luz no fim do túnel - mais uma vez - estava errado - não havia luz - apenas indiferença - e entre quatro paredes tortas - desenhou seu corpo estirado no chão - cedo - muito cedo - viu-se no espelho novamente - e pensou se estaria ainda perdido - sem pé nem cabeça - como este texto alucinado de sexta à noite - enquanto fuma - divaga - escreve - e ouve o som da partida - da luz inquieta - de cerdos voando - de ninfas e suas tatuagens escandalosas - de pés pequenos que pregam o amor eterno - de um adeus sincero - de uma palavra amiga - de pensamentos difusos e inquietos - de conselhos lidos no jornal de domingo e de bate pronto - acaba tudo - e se masturba.

Blog Archive