1 de noviembre de 2015

Pensava ter ganho uma sobrevida

Pensava ter ganho uma sobrevida.
Ter descoberto a cura do câncer.
Um tiro no peito.
Linha e agulha.
Beijos salgados.

Falas um idioma que desconheço.
Numa rua de mão única.
Domingo.
Vejo donzelas andando.
E fico com aquele sentimento
traduzido em grito.

Moedas são jogadas.
Cartas são rasgadas.
Trens lotados.
A persistência envolve riscos.
Piso em falso.
Mergulho em mim mesmo.

Mensagens trocadas.
Um individuo me olha.
O rio cresce.
Revejo seu jardim.
Nenhum latido.
Um lençol ao vento.
Milhares de andorinhas.
E o medo te invade.

Pensava ter ganho uma sobrevida.
Ledo engano.
Palavras são insuficientes.
E o pouco que resta dentro de mim.
Foge.
Fogo.
Fumaça.



Blog Archive