23 de noviembre de 2013

Queria te ver em prantos



Queria te ver em prantos
                                                                                de leve - mal passado
Queria te ver estupidamente gelada
                                                                                                                     envolta numa cápsula de metal
tijolo a tijolo
pulando cercas
blusa preta
renda chinesa
louça suja


Doideira
Sem palavras
Olhar tira - corta - reduz - surta em pedaços
Bebo e nado em círculos 
Garranchos na parede
Gritos abafados

Um ponto, uma vírgula fora de lugar
Desiste
Escrevo pra mim
Sinto pena
                                                                                                                                                           difícil 
difícil é saber se o copo está vazio
se a decisão foi acertada
tenso o seu silêncio
uma carta sem selo
uma fita K7 feita em trizas
canetas sem tinta
miniaturas em decomposição

                                                                         Tento
Deito cabeça a cabeça
enrolo meias num cemitério de irmãs solitárias
cruzo o rio e vejo ao longe um cavaleiro
ele me diz
que te viu
aos prantos
e sinto que as lágrimas
fizeram transbordar as águas
deixam-nas coloridas
e me afogo.
                                                                                                                            O fogo pede perdão e se apaga em suaves prestações mensais. 
Fica causando e bêbado corre atrás do trem
perde o folego

e diz adeus ao pequeno bezerro que mama 
enquanto afasta com o rabo uma mosca de olhos grandes de desespero

Ele inerte - eu descanso.

No hay comentarios:

Blog Archive